MACBETH (2015, Justin Kurzel)



Shakespeare visceral.

Ninguém é Welles ou Polanski só por desígnio. Talvez por isso, Justin Kurzel infunde uma pulsante atmosfera, de sangue e loucura, neste MACBETH para o Século XXI, assente na "sensibilidade digital" de Adam Arkapaw, no protagonismo com unhas e dentes de Michael Fassbender e pautada pelos sombrios acordes de Jed Kurzel.
Embora a escolha seja compreensível (nomeadamente, pela sua equação físico/talento), a Lady Macbeth de Marion Cotillard é um profundo erro de casting.


Comentários

Publicar um comentário